EFD REINF 2020: Mudanças e impactos para as empresas

A Receita Federal adiou a data limite para entrega da EFD Reinf 2020 para os contribuintes do 3º grupo, descritos na Instrução Normativa RFB 1.701/2017. Esse é um ponto que merece atenção das empresas. Mas o que é a Escrituração Fiscal Digital e como funciona todo esse processo? Continue a leitura e fique bem informado!

O adiamento do prazo de entrega da EFD-Reinf aconteceu pela necessidade de tempo maior para a conclusão de uma evolução nos layouts dos eventos da EFD-Reinf juntamente com a simplificação dos layouts do eSocial que está sendo desenvolvido em conjunto pelas Secretarias Especiais da Receita Federal e de Previdência e Trabalho.

Esse novo sistema visa simplificar a quantidade de dados solicitados e descomplicar o envio das informações que são exigidas atualmente pelo Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial).

A evolução do layout da EFD-Reinf contará com novos eventos que trarão para a seara desta obrigação outros tributos administrados pela Receita Federal do Brasil, como PIS/PASEP, COFINS/ CSLL e IRRF.

As diferenças entre Reinf e eSocial

As duas obrigações pertencem ao Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e embora sejam complementares, se diferem entre si.

A EFD-Reinf é uma obrigação com informações voltadas para a retenção de tributos administrados pela receita federal, que incidem sobre os pagamentos das operações praticadas entre pessoas jurídicas.

O eSocial, por sua vez, está voltado a informações sobre a retenção de tributos incidentes sobre a folha de pagamento e pagamentos de pessoa física.

A EFD-Reinf em conjunto com o eSocial e a DCTFWeb substituirão obrigações como a DIRF (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) e o GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social).

Quem deve entregar a Reinf?

Estão sujeitos à nova obrigação:

  • Serviços tomados/prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada;
  • Retenções na fonte (IR, CSLL, COFINS, PIS/PASEP) incidentes sobre os pagamentos diversos efetuados a pessoas físicas e jurídicas;
  • Recursos recebidos por / repassados para associação desportiva que mantenha equipe de futebol profissional;
  • Comercialização da produção e à apuração da contribuição previdenciária substituída pelas agroindústrias e demais produtores rurais pessoa jurídica;
  • Empresas que se sujeitam à CPRB (cf. Lei 12.546/2011),
  • Entidades promotoras de evento que envolva associação desportiva que mantenha clube de futebol profissional.

É válido, no entanto, consultar o Art. 2º da Instrução Normativa RFB 1.701/2017 para saber quem deve ou não transmitir o EFD Reinf.

Quais as mudanças na EFD Reinf 2020?

A Reinf 2020 vai exigir novas obrigações das empresas, inclusive um novo leiaute. Uma das principais mudanças é a fragmentação do evento R-2070 (Retenções na Fonte).

Esse desmembramento implica novos eventos, que passam a integrar a obrigação, e serão denominados como Bloco 40, mudando a forma de declarar, escriturar, confessar e recolher os tributos como PIS/PASEP, COFINS/CSLL e IRRF.

O volume de dados agrupados por eventos é mais organizado e pode ser enviado de acordo com o assunto de que tratam e em datas distintas, já que cada evento possui começo, meio e fim, não sobrecarregando a recepção de dados pelos servidores da RFB.

Como o EFD Reinf 2020 impacta a área de TI e fiscal?

EFD-Reinf faz parte das muitas obrigações que o sistema tributário brasileiro exige. Entender e executar corretamente as obrigações pode ser algo complexo. Você sabia, por exemplo, que em uma contratação mediante cessão de mão de obra, tanto o contratante quanto o prestador de precisam transmitir a EFD-Reinf à Receita?

Pois é isso mesmo! Detalhes como esse, que podem passar batido, podem acabar dando enormes prejuízos e problemas fiscais para as empresas. Para não correr esse risco, é essencial contar com um sistema de gestão que tenha adequação e aderência à legislação.

A cada nova mudança também surgem novos desafios para a área de tecnologia da informação e para o time de fiscal das organizações. Certifique-se de alinhar as equipes de tecnologia e fiscal para trabalharem juntas, auxiliadas por um sistema ERP capaz de reunir e organizar todas as informações exigidas.

E você, está preparado para cumprir com as mudanças nas obrigações tributárias para os próximos anos?

Cadastre-se em nossos canais pra ficar por dentro das novidades.

Fernando Bueno
Siga na rede

Fernando Bueno

Consultor em FBSOLUTIONS
Sou consultor na área de implantação de sistemas ERP, com experiência na análise e implantação de projetos de sistemas, configurando a estrutura do software, capacitando usuários-chaves, ministrando treinamentos e workshops.

Atuando desde 2005 no mercado de tecnologia, desenvolvendo e implantando e sistemas gerenciais, sistemas e sites web e ecommerce.

Siga-me no Linked In
Fernando Bueno
Siga na rede

Últimos posts por Fernando Bueno (exibir todos)